quinta-feira, 11 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Ansiedades e Aflições



Eu não aguento mais essa espera
Será que vai demorar muito?
Preciso ter uma resposta rápida
Estou enlouquecendo a cada minuto
Meus nervos estão à flor da pele
Daqui a pouco, daqui a pouco mesmo
Vou começar a gritar
Arrancar meus cabelos
Jogar-me nas paredes
Quebrar tudo pela frente
Vou correr desesperadamente pelas ruas
Até que um carro me atropele
E acabe com essa angústia
Que toma conta de mim
Despertando uma raiva incontrolável
Dando uma vontade imensa
De ir até a casa dele
Dizer um monte de desaforos
E quebrar o maldito carro que ele tanto ama
Aaaah! Meu Deus o telefone está tocando!
É ele! É ele! É ele! É ele! É ele!
Eu sabia que ele ia ligar!
Que amor! Ele é maravilhoso!
Alô! Meu amor! Que bom que você ligou!
O quê?! Funerária do Céu Encantado?!
Aqui é o inferno!!!!!!!!!
Onde você vai queimar até virar cinzas!
Engano é uma ova!
Homem é tudo uma desgraça!
Também, não quero mais saber dele
Tomara que um poste caia na cabeça dele!
Que custa pegar o maldito telefone e me ligar!

quarta-feira, 10 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Fragilidade Extrema




Eu estou muito fraca
Não consigo me levantar
Sinto muitas dores
Não me toque
Por favor, feche as janelas
Tenho uma pele sensível
Abaixe o volume do rádio
Meus ouvidos não aguentam
Agora, apague as luzes
Minhas vistas estão doendo
E me deixe descansar
Como um anjo sobre as nuvens

terça-feira, 9 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Mentiras que contam para si mesmas



Eu vou me casar com um homem que me ame
Que seja educado, gentil e decente
Um homem que seja sensível aos meus sentimentos
E compreenda minhas necessidades
Não me importa a aparência dele
Pode ser magro ou gordo
Cabeludo ou careca
Alto ou baixo
Preto ou branco
Pobre ou rico
O importante é o que ele tem por dentro
Sentimentos nobres e perfeitos
Porém, infelizmente, me casei com um homem rico e arrogante
De beleza extraordinária e famosíssimo
Que adora o meu corpo
E me trata como uma rainha
Presenteou-me com um cartão de crédito ilimitado
Um carro conversível zero quilômetro
Uma cobertura na Vieira Souto
E viagens de férias, todos os anos
Para Paris, Roma e Nova York
Nem sempre a vida nos dá o que a gente pede
Temos que nos contentar o que surge em nosso destino

segunda-feira, 8 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Ressentimento Incontrolável



Eu vou acabar com sua vida
Seu desgraçado miserável
Vai se arrepender de ter nascido
Não vou te deixar um único centavo
Você vai rastejar aos meus pés
Depois, vou te esmagar feito uma barata
Nunca mais você será lembrado como gente
Apenas como um verme desprezível
Que vai chafurdar na lama
E vai arder nas labaredas do inferno
Com toda sua imbecilidade e cretinice
Não vai sobrar um pedaço de você
Para contar a sua história
Vou festejar sobre seu túmulo
Cantarei e dançarei loucamente
E só assim serei plenamente feliz
Porque, finalmente, destruí você

domingo, 7 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Amar Sem Ser Amada



Eu te amo
Por favor, fique comigo
Meu amor é tão grande
Que bastará para nós dois
Nossa vida será um mar de rosas
Teremos filhos lindos
Vamos morar em uma casinha branca
Com uma bela varanda
E um jardim repleto de flores
Contudo, estas palavras são pura ilusão
Minha vida caminha entre dores e decepções
Tentei tantas vezes conquistá-lo
Todas vezes fracassei
Não se pode amar pelos dois
Por isso, a partir de agora
Quero amar e ser amada
Não aceito mais a indiferença dele
O meu amor será daquele
Que me amar por toda a minha vida

sábado, 6 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Síndrome do Pânico




O que está acontecendo?
Eu vou morrer
Meu coração está doendo
Não consigo respirar
Socorro, não quero morrer!
Eu tenho que sair daqui
Alguém me ajude
Minhas mãos estão trêmulas
Não consigo abrir a porta
Socorro, me tirem daqui!
Eu estou morrendo
Meu coração está parando
Estou sufocando
Tudo está rodando ao meu redor
Eu não vejo mais nada

sexta-feira, 5 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Pesadelos Noturnos



Eu não quero mais dormir
Tenho tido pesadelos horríveis
Sempre acordo no meio da noite
Gritando e chorando
Tento me acalmar em vão
Procuro meus remédios
Quase que enlouquecidamente
Bagunçando todo quarto
Até que finalmente por milagre
Encontro a caixa com os comprimidos
Para meu desespero, está vazia
Corro rapidamente para a farmácia
Mas, o atendente se nega a vender o remédio
Por eu estar sem a receita médica
Então, eu tento explicar o meu problema
A importância deste remédio para mim
Porém, ele pede desculpas
Que ele não pode vender
O bendito remédio
Sem a maldita receita
Então, eu começo a gritar
Dizendo um monte de impropérios
E acabo sendo expulsa da farmácia
Pelo segurança daquela espelunca
E jogo todas as pragas neles
Volto para casa desolada
Deito-me lentamente no sofá
E durmo calmamente como um anjo

quinta-feira, 4 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Enxaquecas Diárias




Minha cabeça está doendo
Me leve para a escuridão
Esta luz me machuca
Por favor, silêncio absoluto
Sua voz me perturba
Vou me deitar
Feche as cortinas
Onde está meu tapa-olho?
Agora saia, que eu vou tentar dormir
O que é isso?
Que barulho é esse?
Esse vizinho desgraçado novamente!
Seu verme, vou matar você!
Minha cabeça está explodindo!
Eu não vou me acalmar
Faz este miserável parar com isso!
Telefona, agora para o porteiro!
Você não me ouve!
Você quer que eu morra de dor!?
Ai, meu Deus, eu não aguento mais!
Ah! Ele parou! Deus me ouviu!
Me acompanhe até a cama
Agora, saia daqui!
Eu quero descansar
Ahhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!!!!!
Desliga essa droga de televisão!!!!!!!

quarta-feira, 3 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Insônia Crônica



Que dia terrível
Pessoas correndo
De um lado para o outro
Gritos de todos os lados
Pressão incontrolável
Não aguento mais isso
Pensam que eu sou uma máquina
Tenho que resolver tudo
Quero que todos se explodam
Não consigo dormir há semanas
Estou bebendo descontroladamente
Tomando remédios que não fazem efeito
Também, bebendo litros de café durante o dia
Como vou conseguir dormir à noite?
Em casa, fico deitada por horas
Mas, o maldito sono não vem
Levanto-me e começo a limpar a casa
Tento ler um bom livro ou ouvir uma boa música
Aí, então eu consigo dormir
Contudo, minutos depois
Ouço o som estridente do despertador
Tenho que voltar para o inferno da rotina
E ter mais um dia de chatices e irritações

terça-feira, 2 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Depressão Pós-Parto




Tire essa criança daqui
Não consigo olhar para ela
Por favor, me deixe sozinha
Eu sei que vou amá-la
Mas, não agora, agora não
Não posso cuidar dela
Eu vou machucá-la
Não serei uma boa mãe
Às vezes me sinto sonolenta
Tenho medo de deixá-la cair
Nunca mais poderei tocá-la
Eu me sinto infeliz
Toda vez que eu olho para vocês
Vejo que não há mais chance para nós
O fim está cada vez mais próximo
Tenho absoluta certeza
Que a culpa desta tragédia anunciada
É totalmente minha ou simplesmente minha
Não tenho mais vontade de fazer coisa alguma
Estou profundamente irritada
E espero ansiosamente o dia terminar
Porque a cada instante olho para meu filho
Para verificar se ele ainda está vivo
Tenho medo que ele pare de respirar
Eu estou em pânico
Não consigo me controlar
Que desespero enlouquecedor
Acho que meu filho está morto
Por favor, me ajudem, me ajudem...!!!


segunda-feira, 1 de julho de 2013

COMPLEXIDADES FEMININAS: Choro Compulsivo




Eu cheguei a casa
Olhei as paredes descascadas
As roupas jogadas no sofá
Os brinquedos espalhados pelo chão
Pratos e copos sujos na mesa
Vejo que meu trabalho não terminou
Não posso descansar tranquilamente
As mulheres lutaram anos por sua independência
E quando realmente a conquista
Continuam sendo escravas do lar
Parece que temos que fazer uma nova revolução
Mas, enquanto isso não acontece
Sento no sofá, respiro profundamente
E começo a chorar sem parar
Lágrimas caem como cachoeiras
Pensamentos pululam minha mente
Tento explicar minha dura rotina
Buscando desculpas para o indesculpável
Quantas vezes terei que repetir o óbvio
Brigar por causa de atitudes impensadas
Sem que isso pare em um Tribunal
Revelando mágoas e feridas não cicatrizadas
Por isso, que toda vez que chego em meu bagunçado lar
Eu choro e acalmo meu coração
Para que eu possa olhar sempre para ele
E não meter a mão na cara dele
Por fazer da minha vida um inferno
E ao mesmo tempo ser tão amoroso
Que me faz perdoar todos os seus defeitos
Lembrando que o nosso amor é eterno